Construções Clínicas

Construções clínicas

A clínica só opera a partir do desejo do analista. Freud, em “Sobre o Início do Tratamento”, de 1937, orienta que os fatores psicológicos envolvidos num tratamento, inclusive a própria personalidade do analista, são complexos demais para tornar possíveis regras rígidas e firmes sobre a técnica da psicanálise. 

Um domínio apropriado só pode ser adquirido pela experiência clínica, principalmente a oriunda da própria análise do analista militante. A experiência prática ele pode adquiri-la conduzindo tratamentos, desde que tenha uma supervisão, e, em relação a teoria pode-se encontrá-la em literatura especializada nas reuniões científicas das sociedades de psicanálise, nos grupos de trabalho e no contato pessoal com os analistas mais experientes. (1919)

Nossa (in)tensão é fazer deste espaço do circuito Ponto de Estofo um lugar de suporte aos analistas iniciantes e um espaço aberto aos mais experientes, que desejam, pela transferência de trabalho, refletir, e interrogar sobre a psicanálise, inscrevendo seus trabalhos para exposição e debate.